breaking news

Igreja Matriz de Odivelas / Igreja do Santíssimo Nome de Jesus

Janeiro 14th, 2010 | by Odv

De planta longitudinal composta pela justaposição de 2 rectângulos (nave e capela-mor), o edifício apresenta volumetria escalonada, sendo a cobertura efectuada por telhados a 2 águas e em coruchéu. Em reboco pintado, o edifício apresenta alçado principal (a E.) composto por 3 corpos separados por pilastras dos quais se destaca o axial: este é rasgado a eixo por portal de verga recta sobrepujado por sugestão de frontão curvo (decorado com festões a ladear medalhão oval com a representação do Menino Jesus Salvador do Mundo) suportado por pilastras dispostas em chanfro e animadas superiormente por consolas. Acima da porta reconhecem-se 2 janelas de verga recta destacada com malheiro de ferro, ornadas lateral e superiormente por relevos escultóricos em cantaria, caracterizados por volutas, conchas e motivos filiformes. A fachada é superiormente rematada por cornija, acima da qual se eleva empena triangular – vazada ao centro por óculo e animada ao centro por cruz – ao nível do corpo central, e torre de planta quadrada, com 2 ventanas sineiras, rematada por coruchéu e pináculos, do lado S.

O INTERIOR do templo apresenta nave única delimitada por teia, com cobertura em abóbada de berço precedida de cornija e ornada com pintura decorativa. os muros ostentam lambril azulejar monocromo, reconhecendo-se a presença, de ambos os lados, de púlpito de madeira ladeado por 2 altares em talha dourada, inscritos em arcos de volta perfeita de cantaria. Todo o restante pano de muro é animado por estuques vegetalistas e pinturas sobre tela com cenas da Vida de Cristo, intercaladas acima dos altares com janelas iluminantes. Do lado da Epístola, capela baptismal e adossado à face interna da fachada, coro-alto. Precede a capela-mor, arco triunfal de volta perfeita em cantaria, delimitado por 2 altares colaterais também em talha dourada sobrepujados por pintura sobre tela e apontamentos de estuque. Totalmente em cantaria e com cobertura em abóbada de berço animada por caixotões, a capela-mor apresenta muros laterais – vazados por portas e janelas de verga recta – profusamente decorados e ritmados por motivos escultóricos e pilastras com sugestões de capitéis. No muro de topo, regista-se retábulo em cantaria composto por frontão mistilíneo suportado por colunas com capitéis coríntios, a inscrever camarim em talha dourada albergando trono animado lateralmente por motivos em talha dourada de feição rocaille, encimado por uma representação do Menino Jesus Salvador do Mundo. Capela baptismal, de planta quadrada e coberta por abóbada ostentando decoração estucada, apresenta um revestimento azulejar monocromo alusivo ao Baptismo de Cristo.

Utilização Inicial: Cultual e devocional
Utilização Actual: igreja matriz
Época Construção : Séc. 17 / 18

Cronologia
1573 – data reconhecível no depósito do lavabo da sacristia, único vestígio do primitivo templo (anterior à reedificação do final do séc. 17); 1680 – data do cruzeiro que se eleva diante da igreja e que marcará uma provável data de início da construção do actual edifício, em substituição de um primitivo templo já existente neste local (e do qual subsistem apenas a pia baptismal e parte do lavabo da sacristia, quinhentistas) e eventualmente relacionado com o roubo sacrílego ocorrido no ano de 1675 (a que alude o Cruzeiro do Senhor Roubado, (v. ); séc. 18 – campanha de redecoração do templo, responsável designadamente pelo trabalho de cantaria que se observa na capela-mor e no portal principal, bem como pelo revestimento azulejar figurativo da nave; 1790 – pagamento de um grupo de pastores e um anjo da Glória para o presépio, por 1$800; séc. 18 / 19 – execução do órgão, atribuído a António Xavier Machado e Cerveira; 1875 – existiam na igreja 3 irmandades, do Santíssimo Nome de Jesus, do Santíssimo Sacramento e de Nossa Senhora do Rosário.

Tipologia
Arquitectura religiosa barroca – igreja matriz
Características Particulares
Notável trabalho de cantaria nos muros e abóbada de berço que cobre a capela-mor. Conjunto rico e diversificado do ponto de vista da componente ornamental, devendo destacar-se a qualidade do revestimento azulejar figurativo da nave, dos retábulos de talha dourada barroca e rococó (do altar-mor aos laterais), bem como as composições pictóricas tendo por temática a Vida de Cristo, os apontamentos de estuque que animam os paramentos laterais e ainda a pintura ornamental que se observa na cobertura da nave. Na capela baptismal conserva-se uma pia quinhentista.

Dados Técnicos
Estrutura mista

Materiais
Alvenaria mista, reboco pintado, cantaria de calcário, estuque, ferro forjado, madeira pintada e dourada, azulejos (séc. 18).

Intervenção Realizada
Paróquia: 1999 – obras de conservação e restauro do interior (pintura ornamental da cobertura da nave, estuques das paredes, etc.).
____________________________________
Bibliografia
LEAL, A. de Pinho, Portugal Antigo e Moderno, Vol. VI, Lisboa, 1875; PEREIRA, Esteves, RODRIGUES, Guilherme, Portugal. Diccionário Histórico, Chorographico, Biographico, Bibliographico, Heráldico, Numismático e Artístico, Vol. V, Lisboa, 1905 – 1912; VALENÇA, Manuel, A Arte Organística em Portugal, vol. II, Braga, 1990; AAVV, Rotas de Loures. História e Património, Loures, 1998; PAIS, Alexandre Manuel Nobre da Silva, Presépios Portugueses Monumentais do século XVIII em Terracota [dissertação de Mestrado na Universidade Nova de Lisboa ], Lisboa, 1998; RAPOSO, Francisco Hipólito, (coord. de), Descubra Portugal. Estremadura, Alfragide, 1998.

Comments are closed.