breaking news

Viva 2011 ?

Janeiro 1st, 2011 | by J Paiva Setubal

Para alegria de muitos 2010 chegou ao fim.

Com grande probabilidade, para tristeza de muitos mais 2011 está aí.

De facto há muitos anos que um Ano Novo não surgia com tão más perspetivas.

Fala-se da crise, os governantes anunciam aumentos generalizados nos custos e descidas generalizadas nos proveitos e os portugueses vão vivendo, muitos portugueses vão vivendo, cada vez mais a abaixo do nível da suficiência.

Esta “coisa” a que os políticos chamam crise, e por mimetismo todos nós, parece um polvo gigante cujos tentáculos se vão espalhando pela sociedade portuguesa atingindo todos os setores.

E não é um problema económico.

Isso é o que políticos e governantes de todos os partidos querem fazer passar.

Na verdade enquanto andarmos à procura dos cêntimos não nos preocupamos com o cerne da questão, como convem a esses mesmos políticos e governantes.

Daí o enviesamento desta origem dos males do país.

Diremos nós que a origem não está nos cêntimos, ou na falta deles.

Está nos princípios, está na base moral completamente distorcida em que a política, a economia e a justiça assentam a sua atividade.

A mentira e a demagogia são o único tempero usado nas “cozinhas” dos poderes que governam Portugal.

Poderá afirmar-se, com razão certamente, que fora de Portugal sucede o mesmo, seja em Espanha, Alemanha, França, Itália, Grécia, Rússia,… isto para nos confinarmos à Europa.

E então ?  Que justificação há aí para o que, nesses aspetos, acontece por cá ?

As eleições presidenciais estão à porta.

Alguém dá por isso ?

Os concorrentes mais parecem, quase todos eles, “cavaleiros de tristíssima figura” reinventados por um Cervantes maquiavélico.

A previsão é a continuação de mais do mesmo. Mais uma vez se prevê em Portugal uma “evolução na continuidade” ! Pobre país que tais perspetivas tem.

Pobre povo que não consegue nada mais do que isto para o representar.

Tantos desejaram o fim de 2010.

Daqui a um ano veremos quantos mais desejarão o fim de 2011.

One Comment

  1. MaximaVaz says:

    Sim, que justificação?
    Que justificação para o valor do salário mínimo?
    Que justificação para tirarem a quem tem o mínimo e menos que o mínimo?
    Que justificação para tirarem o que se mereceu por uma carreira construída a pulso com estudo, formação, experiência, serviço, trabalho empenhado e sério?
    Que justificação para “violarem” salários e pensões inferiores a 5mil euros?
    Que justificação para salários e pensões superiores a , vá lá, a 10 mil euros?
    Que justificação para tantos cargos políticos de “assessoria” aos detentores do poder?
    As justificações já dadas, não convencem, porque não têm por alicerce a justiça.