breaking news

Crónica da Final do Concurso de Miss Concelho de Odivelas 2011. Vedetas, vedetismos e protagonistas que vivem na “sombra”

Julho 26th, 2011 | by Miguel Durão

Vedetas, vedetismos e protagonistas que vivem na “sombra”

Realizou-se ao final da tarde do passado sábado, 23 de Julho, a tão ansiada final do concurso Miss Concelho de Odivelas 2011.

Tendo como palco principal o Multiusos de Odivelas, que não encheu por completo mas que apresentava uma bela moldura humana, a passerelle estava montada a condizer com a beleza das 21 candidatas que se propunham arrebatar o título da mais bela do Concelho de Odivelas.

À boa maneira portuguesa, pouco antes das 22h00 (a gala estava inicialmente marcada para as 21h00), os convidados e principalmente o júri, que ainda por cima era em número exageradamente elevado, começaram a aparecer a conta gotas e entre dois dedos de conversa, como se ainda fosse cedo, ainda se entretinham a falar, atrasando uma cerimónia que já de si, prometia ir pela noite dentro….

Contrariamente ao previsto, em vez de surgir Susana Amador, a Presidente da Câmara Municipal de Odivelas que, segundo o protocolo, deveria “botar faladura” na abertura da gala, eis que aparece o vice, Mário Máximo, em sua representação. Foi a ele que coube apresentar as desculpas pela falta da mais alta representante do Município de Odivelas e, com um discurso rápido, desejar a boa sorte às candidatas e, também, agradecer à organização de Eduardo Sousa pela concretização de mais um evento, na qual a edilidade muito apostava….

O júri, em número superior a mais de 80(!) personalidades (até parecia que se estava a eleger uma Miss Mundo, porque nem o Festival da Canção é composto por tão elevado número de pessoas), lá assentou arraiais e a cerimónia, pôde finalmente começar.

Suponho eu que as regras de bom comportamento e respeito por terceiros, implicam ver e ouvir com atenção, todos os intervenientes no espectáculo. Além do desfile das misses e enquanto estas trocavam de roupa, houve a exibição e actuação de vários grupos. Para muita gente, essas atracções devem ser consideradas irrelevantes e sem peso nenhum no evento, uma vez que após a passagem das candidatas nos três desfiles em que estavam em avaliação, a debandada foi geral, sempre com a desculpa de “fumar um cigarrito”, “fazer/atender uma chamada”, “fazer o chichizinho da ordem”, etc, etc…. Para mim é triste ver a falta de respeito e consideração pela actuação de terceiros, o que me leva a pensar que quando estiver presente numa cerimónia, e quando um político, dirigente ou outro similar começar a discursar, abandonar a sala. Apenas queria que todo o público também o fizesse, e o deixasse a falar “pró boneco” para ver o que acharia essa “vedeta”, a tal que em tom arrogante disse “mas eu quero ir ali falar com uma pessoa, porque quero e mais nada!”.

Felizmente que essa “vedeta” deixou de dar o seu voto enquanto jurado, pois com tal distracção na conversa podia perder parte do desfile, como aconteceu com muito boa gente que, quando as finalistas estavam em pleno desfile, ainda muitos destes jurados estavam a regressar aos seus lugares. Dá para ver a atenção com que estavam a desempenhar papel tão importante, tal como alguns o fazem em outros lugares em que estão em debate temas tão importantes para a vida do concelho de Odivelas…. Enfim, o que vale é que são jurados por uma noite e não para decidir questões e problemas ao longo de quatro anos. O que valeu também é que na plateia também houve júris que, pese embora não votassem, não arredaram pé durante o tempo que demorou a cerimónia e assistiram a tudo, como gente educada e civilizada, aplaudindo candidatas e grupos de dança e de música. Claro está que este júri, exceptuando raras e honrosas excepções, no momento de exercer o seu direito cívico, conquistado por uma noite, meteu água, não raras vezes baralhando as contas de quem tinha que editar as pontuações, apesar de terem na sua posse, folhas devidamente esclarecedoras de como e de que maneira devia votar. Para muitas destas “vedetas”, que gostam muito de dar nas vistas e de ser conhecidas, naquela noite, pelos vistos, o importante era passarem despercebidas pois ainda o desfile estava a meio e já algumas delas, por esta ou aquela razão, estavam a “despachar” o voto para irem para outros lugares. Opções não se discutem mas penso eu que, um jurado deve, como em qualquer outro sítio, ver e ouvir tudo até ao fim para dar o seu veredicto final e não quando a cerimónia ainda vai a meio….

A noite de beleza, tirando este contratempo de quem está ali para não se maçar muito e despachar o seu voto, correu de feição. As finalistas estiveram e deram o seu melhor. Venceu quem o júri (ou parte deste) achou que merecia ganhar. Irina Gomes, candidata eleita na eliminatória de Caneças, foi quem arrebatou a coroa e o ceptro da sua antecessora, Joana Martins que, mesmo no seu último dia de reinado, se apresentou deslumbrante e linda.

Eram duas da madrugada quando foi divulgado o nome da nova Miss Concelho de Odivelas 2011 e já muitas destas “vedetas” e pretendentes a “protagonistas” não estavam na sala… pelos vistos a fama e protagonismo não se dão bem com as altas horas da noite, mas julgo eu que para os famosos, não há hora nem local para se fazerem notar. Contudo e como se diz na gíria popular “só faz falta quem está” e dessas personalidades, tenho a certeza, ninguém deu pela sua ausência.

Irina Gomes é a nova Miss Concelho de Odivelas 2011. Ela sim merece e deve ser a nova vedeta de Odivelas. Pelo que conheço dela, ainda não lhe conotei tiques de “eu sou a mulher de…” “você sabe com quem está falar?” “eu sou a Miss de Odivelas”, ou outros tiques e truques….

Para as restantes 20 candidatas, fica o conselho de que o Mundo não acabou naquele sábado. Outras oportunidades virão, é preciso não desmoralizar e, sobretudo, não cair na vulgaridade…!

Miguel Durão

One Comment

  1. Alexandra Fidalgo says:

    Para quem assistiu via online estava tudo muito bem…
    Sugiro que para o próximo ano escolham “a dedo” quem de facto merece estar no júri.
    Parabéns às “meninas” e a todos quantos tornaram possivel este espetáculo.