breaking news

Editorial Abril/2012

Abril 7th, 2012 | by Odv

Por casa

A OdivelasTV/TVL acabou de cumprir mais uma das suas apostas, a transmissão em direto do “I Congresso Internacional de Odivelas”.

Foi um enorme exito e ficamos vaidosos com o resultado.

Fomos surpreendidos pelo agradecimento oficial (ou terá sido oficioso ?) pela cobertura que fizemos e pelo destaque que, através de nós, este Congresso teve no mundo da ciência histórica.

Foi um agradecimento secreto, só entre dois, mas foi um agradecimento.

Sim, porque nós não fazemos as coisas por menos e avisamos com antecedência os historiadores interessados na matéria e que já têm trabalho apresentado sobre D.Dinis de que o Congresso seria transmitido em direto, e portanto poderiam acompanhá-lo a partir do local onde estivessem, qualquer que fosse o local.

Ficamos felizes, sim !

E partimos já para outra.

Será o “XXXI Torneio de Futebol Infantil do CAC” da Pontinha.

Este ano tomará o nome do patrono Paulo Bento e contará com 4 equipas estrangeiras oriundas da China, Estados Unidos da América, França e Espanha.

Tentaremos fazer chegar as imagens destes jovens aos seus lugares de origem, em direto, para satisfação de amigos e familiares que certamente terão todo o interesse em acompanhar à distância a vida dos seus jovens atletas.

Também os nomes da Pontinha e do Concelho de Odivelas irão por esse mundo fora, coisa desinteressante para os responsaveis locais, pelo menos enquanto os votos dos chineses não derem para eleger o(a) Presidente da Câmara.

Pelo Concelho

Pelo Concelho a novidade é continuação do tema anterior.

Agora com a Câmara quase falida (são os intervenientes diretos que o dizem) e com o resultado do relatório (secreto, sabe-se lá porquê) que a Inspeção Geral da Administração Interna fez aos serviços e às finanças camarárias para digerir, é que a CMO se meteu a organizar um congresso sobre D.Dinis, e logo internacional, porque isto de iniciativas nacionais não é o que está a dar.

A este respeito estranhámos quando no final de 2011 a Sociedade de Geografia avançou com um Congresso Internacional sobre a vida e obra de D.Dinis, sem que Odivelas (população) tivesse qualquer conhecimento do facto.

Já nessa altura entendemos que a iniciativa deveria ter sido da Câmara, e acompanhada a par e passo pelos responsáveis Camarários.

Não foi assim.

Houve uma pequeníssima participação da CMO, a Presidente esteve na sessão de abertura e o Vice-Presidente na sessão de fecho… e foi tudo.

O ano de 2012 puxou pelos brios camarários e aí tivemos o nosso Congresso Internacional sobre D.Dinis, o 1º Congresso Internacional que se organizou em Odivelas e, está fora de dúvidas, endereçamos daqui, oficialmente, os parabéns à Câmara Municipal de Odivelas, à Presidente Susana Amador e ao Vice-Presidente Mário Máximo pela iniciativa, reafirmando o que, no final do congresso, dissemos ao Vice-Presidente Mário Máximo em modo mais ou menos particular e ligeiro.

Infelizmente estas felicitações terão de ficar apenas pela iniciativa em si.

Foi  muito bom ter sido feito este Congresso e melhor ainda se não se ficar por aqui, mas se se der continuidade ao trabalho de estudo e investigação que, supostamente, foi agora tomado por alguns e certamente continuado pelos que já antes se interessavam pelo Rei Universitário, mas…

Este “mas” tem de ficar a sublinhar um conselho (sabemos que os nossos responsáveis autárquicos gostam pouco de receber conselhos mas, é como diria o outro, “temos pena”) que é o de, em próxima iniciativa do género, haver um critério mais fino no convite (ou contratação, não sabemos as condições da relação estabelecida) ao responsável científico do Congresso.

A partir do momento em que há um responsável científico, é evidente que a orientação dos conteúdos a apresentar em Congresso deverá cumprir as suas diretivas, e nesse aspeto as coisas não foram felizes.

Quase metade dos intervenientes não chegou a abordar o tema D.Dinis, falando sobre assuntos eventualmente adjacentes (mas não secantes) à vida e obra do Rei, e pelo menos um dos oradores fugiu por completo ao tema real e, pior ainda, confessando em público que o fez de comum acordo com o responsável científico.

Assim a modos de quem quer ver cinema e vai para um campo de futebol.

Digamos que para estragar o que tinha tido um bom início não era necessário tanto.

E a juntar a isto houve ainda, descuidadamente emitidas, expressões de referência aos trabalhos a apresentar que não abonam nada aos doutos cientistas presentes.

Muito mau por aqui.

Se queremos parecer sérios, o melhor é mesmo sê-lo !

Com ciência desta não vamos longe e D.Dinis merece melhor.

Não era necessário este acidente para estranharmos a não presença de qualquer convidado local, sabendo que, há em Odivelas cientistas/investigadores que detêm o que de mais importante há no saber sobre D.Dinis.

Fariam certamente melhor figura e ensinariam certamente mais, do que as divagações anedóticas sobre os Franciscanos.

Foram muitas as perguntas que nos fizeram, dentro e fora do Congresso, sobre a falta de Maria Máxima Vaz !

Perguntas que ficaram sem resposta, naturalmente.

Sabemos que não é fácil organizar iniciativas destas com dimensão, com conteúdo e sem dinheiro.

Curiosamente nem foi pelo dinheiro que as coisas correram menos bem (mal seria uma classificação injusta).

Para a próxima já sabem com o que contam, a primeira vez é sempre mais difícil e portanto fica o desejo de que haja uma próxima iniciativa do mesmo âmbito com a correção dos erros agora cometidos.

Entretanto mais uma polémica saltou para o palco da comunicação social resultante de um contrato de cedência do espaço desportivo mais nobre do Concelho à SAD do Sporting Clube de Portugal.

Da parte dos responsáveis do Sporting e da informação oficial do clube há a afirmação dessa cedência e da existência desse contrato assinado entre a Câmara e o clube.

Da parte da presidência da Câmara há a afirmação de que tal não é verdade.

Esperamos para ver quem mente, neste negócio onde “a fome se juntou à vontade de comer”.

Um e outro não teem onde cair mortos, mas andam a fazer vida de ricos com o que é pago pelos odivelenses.

O Sporting descobriu que “Odivelas é uma terra de oportunidades” (!) onde os interesses públicos mais importantes são decididos em reuniões privadas, entre PS e PSD.

São 17 milhões de euros, a pagar ao longo de dezenas de anos pelos habitantes de Odivelas, que entretanto veem o IMI, e todas as taxas controláveis pela Câmara Municipal, subir para os valores mais altos possíveis legalmente.

Isto no que se refere ao novo Pavilhão Multiusos porque, quanto ao parque desportivo do ex-Odivelas Futebol Clube, não são conhecidos os custos envolvidos nem o investimento total com que Arnaldo Dias manteve ligada a máquina ao “moribundo” OFC durante os últimos anos.

Esperemos que, pelo menos, Arnaldo Dias também seja sportinguista, tal qual as presidências da câmara.

Ao menos isso.

Modalidades: Sporting vai usar Complexo Desportivo de Odivelas

http://desporto.sapo.pt/futebol/artigo/2012/04/04/junta_critica_c_mara_de_assinar_.html

http://www.record.xl.pt/Futebol/Nacional/1a_liga/Sporting/interior.aspx?content_id=749814

(http://www.sporting-sempre.com/2012/04/pavilhao-multiusos-de-odivelas-vai-ser-a-casa-do-leao-ate-haver-o-multidesportivo-em-alvalade/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=pavilhao-multiusos-de-odivelas-vai-ser-a-casa-do-leao-ate-haver-o-multidesportivo-em-alvalade)

Pelo País

Mentira após mentira, dia após dia, os portugueses vão pagando a vaidade, a ambição, a inutilidade e a sem vergonha ilimitada dos políticos que PS, PSD e PP têm colocado nos governos de Portugal.

Com a ajuda dos portugueses, pois claro.

Na fase atual é o governo Relvas/Ângelo Correia, mas a maior parte dos que estão para trás, assim como todos os que virão, manterão o esquema deste “apito de platina” em que estamos todos envolvidos.

Nem sequer vale a pena analisar atos, faltas ou ações.

Nenhuma merece qualquer crédito.

E até Mário Soares, endeusado ao longo dos anos como o Pai da Pátria, chegou ao ponto de deixar cair a máscara.

Como se sabe, não é possível enganar todos… todo o tempo !

Ou os portugueses acordam e se auto-organizam ou então é a morte lenta e irremediável de uma Nação que existiu livre durante 900 anos.

 J.Paiva Setúbal

Comments are closed.