breaking news

“Poder Local” – Dinamização Económica em Odivelas – O Debate na TVL

Abril 15th, 2013 | by Antonio Tavares

XaraBrasil_PL12Abril2013Miguel Xara-Brasil (PP), Marco Pina (PSD), Rui Francisco (CDU) e António Ramos (PS) marcaram presença no “Poder Local” emitido pela TVL na passada sexta-feira, dia 12/Abril e dedicado ao tema “Dinamização Económica” no Concelho de Odivelas, um programa coordenado e moderado por Helena Fonseca.

Com exceção de António Ramos (PS), todos foram unanimes na condenação das políticas do Executivo do PS na Câmara Municipal de Odivelas relativamente às Atividades Económicas.

3’00’’ Rui Francisco – Potencialidades de Odivelas pela sua localização. Dificuldades de Mobilidade. Urge um Plano. Diagnosticar. Aumento do Desemprego em Odivelas. Um olhar cirúrgico. Prioridades.

8’50’’ António Ramos – Odivelas tem ótimas condições em termos de centralidade. Odivelas não tem espaço para oferecer às grandes empresas que se querem instalar.

11’50’’ Marco Pina – Constrangimentos quanto ao espaço mas não será o constrangimento maior. O O’TECH e a Ericsson. As regras do PDM. A Câmara tem falado muito da atração de empresas e a diminuição de derrama. Póvoa e Paiã têm polos de empresas bastante interessantes. O impacto negativo da grande superfície comercial para o comércio local. Pode-se fazer algo mais para que se consiga ter em Odivelas condições para que outro tipo de empresas consigam-se estabelecer em Odivelas.

17’30’’ Xara-Brasil – Uma Enorme incompetência e uma enorme inabilidade da presidente Susana Amador e do Vereador do Pelouro. O desnorte e a falta de visão da presidente Susana Amador quanto às questões económicas. Não basta baixar a derrama. Há zonas em Odivelas onde se pode colocar empresas. Gabinetes há muitos mas nada funciona. De Dezembro de 2009 a Dezembro de 2012 o desemprego aumentou em Odivelas 58% e em Lisboa aumentou 36,9%. O comportamento da Sra. Presidente e do seu Executivo deu nesta catástrofe. Onde está o OTECH?

29’00’’ Rui Francisco – Falta de visão estratégica. Um conjunto de anúncios que depois na prática acabam por frustrar parceiros e as populações. O OTECH. Os Terrenos do Município colocados à disposição da Luso-Capital. Em 2009 já o projeto estava parado há 2 anos. Este “Faz o que Não-Faz”. A defesa do Comércio Tradicional.

38’32 António Ramos – O OTECH não avançou porque a Luso-Capital foi à falência. Possivelmente a Luso-Capital queria viver à conta de Odivelas e Odivelas pôs fim aquilo. Os edifícios privados. Não é competência da Autarquia desenvolver políticas de criação de emprego.

46’00’’ Rui Francisco – A Câmara ainda tem um terreno comprometido com a Luso-Capital.

47’17’’ Marco Pina – O “Odivelas às Compras” já esteve inativo durante algum tempo. Por vezes fazem-se investimentos e esses investimentos não têm sequência prática. “O Odivelas as Compras” está apenas com uma “home page” que não permite nenhuma funcionalidade.  Odivelas divulga pouco aquilo que faz bem. A Mostra das Empresas de Odivelas que não se vai realizar. A última Coca-Cola do Deserto.

55’45’’ Xara-Brasil – Em 4 anos aumento do Desemprego em Odivelas em 58%. (57’10 Para fazer situações megalómanas deve haver falta de espaço – Marco Pina). DNA o exemplo em Cascais. Faz-se muitas propostas, faz-se muitas promessas para a fotografia para o ShowOff para as eleições. Falta de garantias. O Sporting não deu garantias reais nenhumas. O Executivo não quer ouvir ninguém. A presidente Susana Amador e o Vereador do Pelouro são nesta área de uma incompetência total.

1h02’40’’ Rui Francisco – Criar condições objetivas. O diagnóstico está feito mas os atores políticos têm de apresentar propostas em concreto. É necessário criar um Conselho Municipal de Pequenas e Médias Empresas como órgão consultivo. O projeto do Mercado de Odivelas e a Av. Dom Dinis mais um que não viu a luz do dia. Há que priorizar. O Pavilhão MultiUsos sem um estudo de viabilidade económica e com um custo de quatro vezes mais, não está a resultar.

1h09’25’’ António Ramos – “Odivelas as Compras” tem que ser melhorado. As obras na Vertente Sul. A bienal das culturas lusófonas (Não me fale nisso – Marco Pina). A Loja do Turismo.

1h12’54’’ Marco Pina – O nível de parceria da CMO no Strada deveria fazer com que a Câmara fizesse tudo para que o nome de Odivelas não fosse banido.

1’13’55’’ Antonio Ramos – A marmelada branca. O Micro Crédito. Há prioridades. Eu não conheço os técnicos da Câmara.

1h11’15’’ Marco Pina – Qual foi o efeito prático dos programas implementados? As políticas públicas têm de ser mensuradas. Balanço mais negativo. As pessoas ao longo dos anos têm sido defraudadas nas suas expetativas. Os agentes políticos têm de deixar de mentir às pessoas. Há aqui algum nível de negligência.

1h26’00’’ Xara Brasil – O ponto mais frágil de Susana Amador. Falta de estratégia. A importância da Cultura. A confraria da marmelada e a confraria paralela. O maior apoio social que se pode dar às pessoas é criar Emprego. Um Milhão de Euros para pagar a advogados externos com 40 advogados na Câmara.

1h31’45’’ Rui Francisco – Perdemos demasiado tempo a fazer muito pouco com medidas avulsas sem ter uma perspetiva estratégica para o desenvolvimento do tecido económico de Odivelas.

Nota: Contrariamente ao afirmado por António Ramos:

1) O edifício da Odinveste não foi construído e já existia, pois era o antigo refeitório e balneários da Cometna.

2) Também não é verdade que a Luso-Capital e a Odinveste tenham ido à falência.

Comments are closed.