breaking news

Odivelas – Aprovada Renovação da Frota Automóvel – CDS e BE Votam Contra

Abril 26th, 2015 | by Odv
Odivelas – Aprovada Renovação da Frota Automóvel – CDS e BE Votam Contra
Destaques
0

Odivelas, Reunião da Assembleia Municipal, Aprovada Renovação da Frota Automóvel com os Votos contra do CDS e do BE. A CDU absteve-se e o PS e PSD votaram a favor.  FrotaAutomovel20150423

A informação insuficiente para a decisão sobre o sentido de voto, não impediu que fosse aprovada a renovação da frota automóvel que, nesta fase agora aprovada, apenas contempla viaturas dos Vereadores e de outros Dirigentes.

Não se percebe porque os Vereadores e Dirigentes, que auferem o seu salário, não usam o seu carro para se deslocarem para o trabalho e apenas solicitam uma viatura municipal quando se deslocam em serviço.

Odivelas: Câmara sem visão na gestão de frota automóvel

Só 6 Automóveis para dirigentes municipais valem 83 mil euros em AOV

A Câmara de Odivelas propõe, para este ano, substituir 30 veículos e mais outros 15, em 2016, ou seja renovar 45 de um total de 118 viaturas. Pretende fazê-lo através de contratos de AOV, Aluguer Operacional, para um total de 4 anos e de 100.000 quilómetros. Esta é, certamente, a melhor modalidade e não é uma fórmula inédita para o Município de Odivelas que já o fez em Novembro de 2011.

Para o deputado municipal José Maria Pignatelli “não se dúvida que a frota automóvel do Município de Odivelas se encontra envelhecida e carecida de uma manutenção eficaz e habilitada que a Câmara Municipal não sabe fazer. Mas importa reduzir as despesas gerais, antevendo que as receitas possam deixar de crescer, tanto mais que são quase todas advindas de taxas e impostos. Impõe-se critério e rigor na administração da coisa pública. E esta proposta de Renovação Parcial da Frota Automóvel Municipal até pode ser um prenúncio disso mesmo, mas encontra-se desprovida do essencial”.

O autarca do CDS-PP explica: “Não se faz qualquer explicação sobre os critérios e prioridade em substituir apenas este grupo de veículos. Era fundamental que esta proposta inclui-se a previsão para substituir outras unidades como os comerciais ligeiros de passageiros, onde se encontram veículos adaptados, e autocarros, também alguns deles envelhecidos e com graves problemas de manutenção”.

É ainda surpreendente – acrescenta – que os contribuintes sejam chamados a suportar um total de quase 83.000 euros em automóveis destinados ao restrito serviço de dirigentes municipais que podiam seguramente partilhar duas ou três viaturas ao invés das seis propostas. Trata-se da Administração Pública local que não tem de atribuir viaturas de serviço pessoal. Falamos de dirigentes, de funcionários públicos que têm uma atividade maioritariamente dentro do concelho de Odivelas com uma área de apenas 26,54 quilómetros quadrados”.

José Maria Pignatelli refere também a “falta um relatório com a caracterização da frota automóvel municipal que permitiria analisar a utilização de cada veículo, com detalhes como a quilometragem realizada anualmente e respetivos custos de manutenção, combustível, prémios de seguros e mesmo sinistralidade”.

Mas as lacunas desta proposta não se ficam por aqui. O deputado municipal é peremptório: “Não se apresenta a discriminação sobre o clausulado dos contratos, indica-se apenas os valores das mensalidades sem fazer alusão aos serviços que se encontram incluídos que podem ir desde a manutenção, substituição de pneumáticos, passando por viatura de substituição, até ao próprio seguro. Também não detalha quanto se terá de pagar por cada quilómetro percorrido para além dos 100 mil quilómetros contratados”.

Segundo José Maria Pignatelli, a proposta omite “a pormenorização das versões dos modelos apresentados, tanto mais que o valor do contrato depende do PVP de cada viatura, deduzindo o desconto de frota, particularizado para as entidades da Administração Pública, uma política usual entre os importadores de algumas marcas automóveis”.

Antes de se referir ao último relatório que se conhece sobre a frota automóvel municipal o eleito do CDS-PP afirmou que “o Executivo camarário apresentou um documento resultante de uma opção política, esvaziado de argumentos especialistas e sem uma visão de curto e médio-prazo sobre gestão da frota automóvel municipal”.

Em 2011, viaturas municipais custaram 560 mil euros.

Em Agosto de 2011 – explicou o autarca -, conseguimos fazer uma análise atenta à demonstração de valores globais de cinco anos, entre 2006 e 2010, que permitiu constatar que a frota de veículos custou, nesse período, aproximadamente 405.000 euros anuais, sendo 360.000 relativos a custos operacionais diretos em manutenção e combustíveis”.

Então, o documento particulariza as despesas dos 10 veículos afetos aos Eleitos, entre Janeiro a Junho de 2011, distribuídas pelas rubricas Combustíveis, onde foram gastos 9.424,31 euros e Reparações que custaram mais de 8.600 euros (8.638,27€). No primeiro semestre de 2011, as viaturas dos autarcas custaram €22.448,99 e percebeu-se que, cada um desses veículos, rodou entre os 1.300 e os 1.500 quilómetros mensais, custando cada uma daquelas viaturas quase €144,00 (€143,97) por mês, em manutenção.

O deputado municipal esclareceu ainda que “em 2011, foram gastos mais de 140 mil euros por trimestre, com as viaturas municipais, ou seja 560.000 euros só nesse ano”.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *