breaking news

CAC – Sem Campo, Sem Direção, Sem Contas, Sem Atletas, Sem Futuro

Junho 3rd, 2016 | by Antonio Tavares
CAC – Sem Campo, Sem Direção, Sem Contas, Sem Atletas, Sem Futuro
Desporto
0

Odivelas assiste à triste situação atual de um Clube – CAC da Pontinha, que foi conduzido a um estado de degradante miséria a vários níveis, fruto de um conjunto de pessoas que nunca tiveram nem capacidade, nem engenho, nem arte, para saber gerir um Clube com a grandeza do CAC. Chegados ao desespero do descrédito total, a atual oligarquia é fundamentalmente um conjunto de pessoas dividido, com ambições pessoais que é na sua essência, a origem e a parte fundamental do Problema e que dia sim, dia não, apresenta a sua demissão no facebook. topo_AT

Lisboa há muito que fechou a porta ao CAC. A solução que o presidente da junta de Carnide negociou com a Câmara Municipal de Lisboa (CML) reserva para o CAC da Pontinha umas quantas horas num estádio municipal (tipo Alta de Lisboa). Estarão estes senhores cientes do que irá significar para o CAC a completa perda de autonomia, a dependência do presidente Fábio da CDU de Carnide, a perda de receitas da publicidade no campo e do aluguer do campo para iniciativas e de, reduzidos a umas quantas horas, verem reduzidos o número de atletas drasticamente o que irá reduzir também drasticamente as receitas? Foi para aqui que a estratégia de uns quantos que pretendiam levar o CAC para Carnide conduziu o Clube. Como é que um Clube como o CAC da Pontinha fica de rastos perante a CML e é empurrado para ser subjugado pelo presidente Fábio de Carnide? A primeira explicação pode ser encontrada na situação frágil em que o CAC foi colocado quando não cumpriu o Contrato Programa com a CML e recebeu a primeira prestação de 109.000 (Cento e nove mil euros) para o campo principal e nada fez. Neste momento o CAC é uma entidade que está em falta para com a CML e com o campo em tão mau estado que foi interditado, está obviamente fragilizado e, a CML e a Junta CDU de Carnide, tentam aproveitar-se dessa fragilidade.

A primeira decisão inteligente deveria ter sido colocar um relvado, usado, no campo principal. Receitas para isso estiveram disponíveis quando o Sporting fez o ACORDO com o CAC e, sabendo que o CAC recebeu no ano passado – 46.500 (quarenta e seis mil e quinhentos euros) Mais IVA, com metade desse valor, aproximadamente 25.000 €, poderia ter comprado no mercado, tal como falámos acima, um relvado em bom estado e em segunda mão. Na verdade só uma auditoria às contas poderá demonstrar qual foi o destino das receitas do ACORDO com o Sporting…

Curiosamente no final do mês de Maio realizou-se uma Assembleia Geral do CAC que pretendia alterar os estatutos e, de entre as propostas de alteração que não passaram, pasme-se, figurava a seguinte ideia peregrina – Mil Euros de ajudas de custo para cada um dos elementos da direção e conselho fiscal. Reforçando e justificando esta proposta, um dos elementos da direção afirmou que esta proposta pretendia impedir os abusos do passado…  sem comentários.

Por volta da mesma altura (finais de Maio) numa sessão do Tribunal de Loures a direção do CAC confrontada com a dívida à TERRACEL, aproximadamente 180.000 euros, afirmava que apenas tinha 170 (cento e setenta) euros no banco e que não apresentava qualquer proposta de pagamento.

Considerando que, ainda de acordo com as verbas do ACORDO com o Sporting, o CAC receberá em Setembro deste ano 20.000 (Vinte mil euros) Mais IVA, seria daqui que a direção pretendia retirar as ajudas de custo milionárias para todos os membros?

Valeu ao CAC o bom senso de Ilídio António, antigo Presidente do Clube que, na Assembleia Geral realizada em finais de Maio, conseguiu convencer os presentes a não irem para a frente com a dita proposta dos Mil euros de ajudas de custo para cada membro da direção. E que dizer da VERGONHA de uma Assembleia Geral (AG), em que nem todos os membros da direção estavam presentes e em que para além deles, APENAS 4, QUATRO SÓCIOS, estiveram na AG. Isto Será Suficiente para quem manda ACORDAR?

Chegados a esta situação calamitosa e em desespero, o grupo de pessoas que abusivamente, porque sem apresentação de contas nem eleições nos prazos legais está em posição ilegal, se mantém nas instalações do Clube, está a exigir à Junta de Freguesia da Pontinha e à Câmara Municipal de Odivelas um relvado, para o campo do CAC da Pontinha. Aqui chegados, a este ponto cómico-dramático de uma peça teatral de mau gosto e com atores de segunda, resta-nos perguntar aos que mandam nisto tudo: Isto é para continuar a brincar com o futuro do CAC da Pontinha ou é um caso de Polícia?
Mas, porque raio, nem sequer é usada a PRORROGATIVA MUNICIPAL de UMA AUDITORIA ÀS CONTAS?

O Poder Local – Junta de Freguesia da Pontinha e Câmara Municipal de Odivelas, têm conhecimento de um grupo de pessoas que tem soluções e acordo com os credores e que está disponível para viabilizar uma comissão administrativa, a realização de uma auditoria às contas e a promoção de Eleições, colocando como única condição a saída de todo o grupo atual de pessoas que levou o Clube à atual situação.

Há pessoas com Soluções, o Poder Local está informado, há uma situação atual ilegal que tem de ser resolvida, resta o bom senso que quem faz parte do problema e não tem quaisquer condições para continuar, se retire e entregue as chaves na Junta de Freguesia da Pontinha. Manter esta situação é matar o CAC da Pontinha.

 

Comments are closed.