breaking news

A Escola não é dos Professores – Comunicado à Imprensa da FERLAP

Fevereiro 27th, 2017 | by Antonio Tavares
A Escola não é dos Professores – Comunicado à Imprensa da FERLAP
Cultura
0

Recebemos da FERLAP – Federação Regional de Lisboa das Associações de Pais, o seguinte Comunicado à Imprensa:
A Escola não é dos Professores
A propósito da notícia do DN “Pais e diretores “chumbam” mudanças na gestão das escolas” de24 de Fevereiro de 2017 da autoria de Pedro Sousa Tavares e da leitura dos dados disponibilizados pela FENPROF, onde se inclui o “ RESULTADO DO INQUÉRITO SOBRE O ATUAL REGIME DE GESTÃO ESCOLAR”, a FERLAP – Federação Regional de Lisboa das Associações de Pais, cuja região agrega ¼ da população portuguesa, tem a comunicar à FENPROF e a todos os outros interessados, o seguinte:
Antes de mais que, não conseguimos discernir onde se encontra a Democracia neste tipo de Eleição: “O órgão de gestão deve ser eleito: por todos os professores/educadores, funcionários e representantes dos encarregados de educação e alunos.” Não conseguimos entender onde se encontra a Democracia quando: votam todos os Docentes/Educadores, Funcionários (entendemos por tal os não Docentes) e os representantes dos Encarregados de Educação e dos Alunos. Estamos a falar de que tipo de proporção? De que tipo de Democracia?
Assim, lamentamos informar, mas:
A Escola não é dos Professores. Sabemos que foi assim durante muito tempo, mas, hoje, a Escola é dos Alunos, da comunidade escolar e da comunidade em geral. Nunca nos podemos esquecer, há quem esqueça, que sem Alunos, não há Escola e por consequência não há necessidade de Professores, logo, os Alunos, são a razão de ser da Escola e da existência dos… Professores. Por outro lado, é bom não esquecer que os Professores são contratados para executarem um serviço, ministrar educação (sabemos que o termo é lato e não será este o local para o discutir) aos Alunos.
Compreendemos o interesse dos Professores em dominarem o processo de escolha de quem dirige a Escola, mas, para nós Pais, outros valores, e mais importantes, se levantam, os nosso filhos e a sua educação. É para nós Pais, fundamental participar nas decisões que afectam a Escola dos nossos filhos. Se os Conselhos Gerais funcionam bem e desempenham a função para que foram criados? É outra questão.
Sabemos que a gestão das Escolas não é perfeita e que muito há ainda a fazer neste campo, mas, do inquérito de opinião efectuado pela FERLAP em 2016, 56,3% das Associações de Pais, que responderam, entendem que deve ser um Director a dirigir a Escola. Porquê? Provavelmente por conhecerem a Escola hoje e a Escola quando era dirigida por um Conselho Directivo eleito por Professores. Ou, por outro lado, porque, 77,1% consideram que pelo menos algumas vezes, os Conselheiros representantes dos Pais conseguem influenciar as decisões tomadas pelo Conselho Geral.
A gestão da Escola é algo de muito sério e não deve ser visto e tratado com leviandade. A Gestão Democrática das Escolas, implica a participação de toda a comunidade, não apenas a participação dos “empregados”. Sem querermos ser sectários, entendemos que numa sociedade que se quer Democrática, a gestão de algo tão importante para o futuro do País, como é a Escola, não pode ser entregue apenas a uma das partes interessadas, principalmente quando essa parte aufere rendimentos pelo trabalho que desenvolve no local que pretende dirigir, em exclusividade. Ou seja, por palavras que todos entendem, os “empregados” não podem ser “patrões” de si próprios.
Não quer isto dizer que consideremos que o modelo de gestão vigente é perfeito. Antes pelo contrário, pensamos que necessita de ser aperfeiçoado e que devem ser corrigidas as falhas que permitem que em alguns casos o Director seja um “rei absoluto” que impõe a sua lei sem oposição de quem de direito fazê-la. Sabemos que não é fácil para os Professores, não docentes e mesmo Pais e Alunos votarem contra o Director. No entanto, é possível e o Conselho Geral tem os meios, ainda que escassos para o fazer. Apenas, os Conselheiros têm que desempenhar a sua função.
Sim, queremos uma Gestão da Escola Democrática. Sim, tem que haver discussão sobre um assunto tão importante como este. Sim, temos que exigir mais competências para o Conselho Geral e impor o voto secreto como sistema de decisão, de forma a impedir possíveis represálias sobre quem se opõe ao Director. Sim, já estivemos ao lado da FENPROF, a última das quais na defesa da Escola Pública. Neste caso, não estamos, e não estamos porque, defendemos a Escola Pública, com tudo o que isso implica, e porque o nosso conceito de Democracia não tem nada a ver com o conceito de Democracia apresentado no inquérito da FENPROF.
Informamos ainda que, porque entendemos que os Pais da nossa região têm uma palavra a dizer sobre a Educação em Portugal, estamos sempre disponíveis para contribuir com a nossa opinião para a melhoria da Escola e do Sistema Educativo em Portugal.
Isidoro Roque
Presidente CE

Documento Original da FERLAP

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *