breaking news

A greve dos Professores do dia 21 de Junho de 2017

Junho 17th, 2017 | by Antonio Tavares
A greve dos Professores do dia 21 de Junho de 2017
Cultura
0

Recebemos da FERLAP, o seguinte comunicado de imprensa que passamos a divulgar:

Comunicado à Imprensa
A greve dos Professores do dia 21 de Junho de 2017
Na sequência dos últimos desenvolvimentos e tomadas de posição em relação à greve dos Professores do dia 21 de Junho de 2017, a FERLAP – Federação Regional de Lisboa das Associações de Pais, vem tornar pública a sua posição sobre um assunto tão importante como é o da Educação em Democracia.
A Democracia, a Constituição da República Portuguesa e a igualdade de oportunidades entre os Alunos têm, independentemente de tudo, que ser respeitadas.
Assim, entendemos que:
 A greve é um direito e por isso tem que ser respeitada,
 O direito à greve tem que ser exercido no local de trabalho (por favor ler comunicado de 2 de Junho (em anexo),
 A data da greve foi, em nosso entender, mal escolhida, não vai contribuir para a tão apregoada dignificação da classe, a FERLAP já apresentou propostas para que, mesmo assim, a classe possa sair dignificada (comunicado de 2 de Junho),
 Entendemos que, no entanto, o prejuízo para os Alunos será mínimo, uma vez que, se a uns, muito poucos, pode prejudicar ou beneficiar, para a grande maioria será completamente indiferente, subentendendo que os Professores desempenharam o seu papel de Professor,
 A imposição de serviços mínimos acrescenta à greve duas novas problemáticas, que pelos vistos não estão a ser tidas em consideração:
o por um lado a Democrática, se forem requisitados todos os Professores necessários para todas as salas de exame, implica, na prática, não haver greve,
o por outro, para a igualdade de oportunidades entre os Alunos, no caso de apenas alguns Professores serem requisitados, haverá Alunos a fazer exame e outros que o não podem fazer.
São pelo menos estes dois aspectos que devem ser tidos em consideração por quem decide, a Democracia e a Igualdade de oportunidades entre os Alunos que vão realizar os exames, estes sim importantes do nosso ponto de vista, nesse dia, há que respeitar uma e outra. Provavelmente, a alteração da data do exame seria a melhor solução para todos,
 A Escola que defendemos, apenas se consegue com a dignificação dos profissionais que a compõem, Professores, Técnicos e Auxiliares de Acção Educativa e Administrativos,
 Claro que os Direitos implicam sempre Deveres e se, defendemos o Direito à dignificação de carreiras, exigimos que cumpram o Dever de dignificar a carreira, com tudo o que isso implica,
 Tem que ser estabelecido, há muito que a FERLAP o vem propondo, de uma vez por todas um Pacto Político para a Educação, no mínimo a 20 anos, para que se evitem de uma vez por todas, todos os tipos de constrangimentos, esta greve é apenas um exemplo, a que vimos assistindo ao longo dos anos e que prejudicam gravemente o funcionamento do Sistema Educativo Português, a FERLAP, está obviamente disponível para participar na discussão e contribuir com a sua modesta opinião para uma melhor Escola,
 O MAP tem a obrigação de defender a Escola de Qualidade, Universal e Gratuita, orientada para uma sociedade verdadeiramente Democrática e Justa e, independentemente das orientações políticas de cada um, é isso que na FERLAP insistimos em fazer.
Isidoro Roque
Presidente CE

ANEXO
Comunicado de 2 de Junho de 2017
Comunicado à Imprensa
A haver greve dos Professores em dia de exame nacional
A haver greve dos Professores em dia de exame nacional será que vai prejudicar os alunos? Com toda a certeza, vai prejudicar uns, beneficiar outros e, pensamos, que provavelmente para a grande maioria vai ser completamente indiferente, isto se os Professores tiverem feito o seu trabalho ao longo do ano.
Em relação à greve, obviamente que não colocamos em causa o direito à greve dos Professores, bem antes pelo contrário, defendemos acerrimamente esse Direito para os Professores e todos os que trabalham. A greve é um Direito fundamental da Democracia, que nunca pode ser colocado em causa, independentemente das contrariedades que o uso desse Direito possa provocar.
No entanto, pensamos que dia de exames não é o melhor dia para uma greve, embora percebamos os motivos que levam os sindicatos a marcar as greves para esses dias.
Há uns anos pedimos aos Professores, foi notícia nacional, para mudarem o dia da greve. Este ano não o vamos fazer. Este ano vamos pedir aos Professores que aproveitem a greve para dignificar a classe, fazendo aquilo que é a essência de ser Professor, Ensinar. Como? É simples, passamos a explicar:
 Façam greve, pode ser dia 21, mas era melhor ser num dia normal de aulas,
 Vão para o vosso local de trabalho, salvo melhor opinião, pensamos que está implícito no conceito de greve a permanência no local de trabalho,
 Fiquem com os Alunos nos espaços de recreio, conversem com eles, expliquem o que estão a fazer e porque o estão a fazer, brinquem com eles, aproveitem esse dia para a Educação para a Cidadania,
 Aproveitem para falar com os Pais que forem à Escola e expliquem os motivos porque estão em luta, expliquem que por estarem em greve não deixaram de ser Professores e por isso continuam a estar com os filhos deles e a ensinar.
Sabemos não ser fácil o que propomos, mas se o fizerem, estarão com toda a certeza a dar uma grande lição de Cidadania a Portugal e ao mundo.
Senhores Professores, façam greve mas, com “pinta” e sem deixarem de ser o exemplo que um Professor é e deve sempre ser.
Porque defendemos a Escola de Qualidade Universal e Gratuita e esta só é possível com uma classe docente dignificada, esta é apenas mais uma opinião de quem defende, contra tudo e contra todos, mesmo quando não parece, a dignificação de uma classe que entendemos ser fundamental para o futuro de Portugal.
Isidoro Roque
Presidente CE

Comments are closed.