breaking news

E a Guerra dos Tronos aqui tão perto!

Julho 27th, 2017 | by J. Neves
E a Guerra dos Tronos aqui tão perto!
Colunistas
0

“Was there ever a wedding less joyful?”

Quem segue a popular série da Guerra dos Tronos jamais esquecerá o episódio nove da terceira temporada. Trata-se de um momento histórico em televisão que será recordado como “The Red Wedding”. Num casamento, que se esperava unir desavenças, um dos clãs convidados é chacinado sem dó nem piedade. 

Uma destas noites, num pavilhão muito grande e de diversas utilizações lá para os lados de Odivelas, pudemos assistir ao anúncio de uma certa candidatura às autárquicas de 1 de Outubro. Segundo foi apresentado, esta candidatura iria unir a família partidária que há anos anda em desavenças internas. Para tal se convidaram cabeças de clã que botaram discurso bonito. Também o candidato subiu à tribuna e referiu que a escolha dos mandatários tinha por intenção contar com todos, unir todos num projecto único. Muitas palmas, muitos beijinhos, muitas mãos dadas no ar, muitas fotos, e lá estavam em palco: os amadores e os outros. Festa bonita, parecia o mais feliz dos casamentos, alguns auspiciavam já o melhor resultado de sempre, a campanha mais unida e fraterna. 

Mas, todas as histórias têm um mas, a boda de sangue revelou-se na altura de divulgação das listas à Câmara e à Assembleia Municipal. Perante o espanto de alguns dos presentes, os mais conotados com um dos clãs tinham sido eliminados das listas, ou relegados para lugares não elegíveis. E alguns dos que deram a cara e o trabalho no município durante anos souberam no momento que haviam sido retirados das listas. No seu lugar apareciam funcionários da Câmara Municipal. Não deixa de ser estranho que se opte por colocar na Assembleia Municipal – que é um órgão fiscalizador da Câmara Municipal – pessoas cujo emprego é exactamente na instituição que devem fiscalizar.

Mais uma vez a realidade imita a ficção, eu gosto muito da série, mas as autarquias devem ter como principal objectivo prestar um bom serviço à população e não ser palco de uma Guerra de Tronos. Se a escolha fosse pelas pessoas, pelas suas características e personalidades, fazia todo o sentido. Mas quando se agrupam as pessoas numa tendência e se tenta eliminar essa tendência todos perdem, perde a população e perde a Democracia!

J. Neves

 

Comments are closed.